Trauma em foco no 27ºCOTESP

A cidade de Ribeirão Preto volta a receber uma edição do Congresso de Ortopedia e Traumatologia do Estado de São Paulo (COTESP) após dois anos. O que mudou de 2016 para cá? Mudanças no cenário político e econômico? Sem dúvida. E o que permaneceu igual em relação ao último evento? A vontade de organizar um encontro científico de grande importância para os ortopedistas de todo o estado de São Paulo.

Sob o tema “Trauma” – a última edição havia abordado as lesões articulares – o 27º COTESP, a ser realizado entre 9 e 11 de agosto, deve reunir aproximadamente 600 profissionais da especialidade. Entre os destaques, a participação de convidados nacionais e internacionais de grande relevância, uma programação científica abrangente e, ao mesmo tempo, propícia para a discussão de temas extremamente atuais e desafiadores. Por fim, um encontro que promove a integração com residentes e jovens ortopedistas em um espaço também voltado para a educação continuada de profissionais que estão fora dos grandes centros.

De acordo com o presidente da SBOT-SP, Alberto Naoki Miyazaki, o COTESP é um encontro tradicional e importante na agenda bienal de eventos da especialidade. “Em razão até do número de ortopedistas e traumatologistas no estado de São Paulo, arrisco dizer que é o maior encontro da especialidade no âmbito regional. Portanto é um desafio organizar um encontro de tamanha grandeza. É importante agradecer o interesse dos participantes, a disposição dos palestrantes e das Escolas de Ortopedia do estado que estão oferecendo grande suporte para a realização do encontro.”

Para os organizadores do congresso a ideia é oferecer uma programação diversificada, atendendo as diferentes expectativas dos presentes. “O congresso será uma ótima oportunidade de aprendizado para os ortopedistas em formação e de atualização aos especialistas. Estamos trabalhando intensamente para que possamos oferecer a todos os participantes um evento com excelente qualidade”, ressalta o presidente do 27º COTESP, João Damasceno Lopes Filho.

Segundo ele, a programação científica contará com duas arenas simultâneas, permitindo que os participantes possam ter acesso a maior numero de atividades. O próprio local do evento, o Hotel JP, oferece ótima infraestrutura para a integração dos participantes.

A escolha do tema “Trauma”, de acordo com o Professor Livre Docente da FCM/UNICAMP e membro da Comissão Científica do Congresso, Sérgio Rocha Piedade, tem relação direta com o princípio do COTESP de discutir questões importantes da prática clínica. “Dentro deste contexto, a Traumatologia Ortopédica representa parte expressiva da atuação do médico ortopedista e, portanto, o tema é relevante e está inserido na prática diária do ortopedista.” O presidente do congresso concorda. “É um assunto extremamente diversificado, com evoluções e inovações contínuas na sua abordagem. A proposta do COTESP é exatamente esta de proporcionar a necessária atualização sobre o tema”, ressalta Damasceno.

Programação científica

Como já citado, a programação está dividida em duas arenas (programação completa disponível no site do evento) e os assuntos foram cuidadosamente discutidos e separados para que o participante possa escolher a palestra conforme sua conveniência. Sérgio Piedade explica que a programação foi estruturada com dois palcos dispostos em auditório único, e sistema de áudio seletivo (fones de ouvido) que permite ao público definir individualmente o áudio da conferência de interesse. “Essa proposta, embora nova para o COTESP, já foi utilizada anteriormente em Congressos de Especialidade com aceitação muita positiva dos palestrantes e do público ouvinte. ”

Fora isso, explica o presidente do COTESP, haverá um fórum de defesa profissional em conjunto com a SBOT Nacional. “O fórum será uma grande oportunidade para discutirmos os problemas encontrados diariamente pelos ortopedistas nas questões de remuneração e melhoria das condições de trabalho”.

Para outro membro da Comissão Científica, Marcelo Ubirajara Carneiro, os assuntos relativos ao Trauma Ortopédico são de interesse de todos os ortopedistas, que os utilizam na sua vida diária. “Nossa intenção é promover uma atualização destes temas. Entretanto, ao analisarmos os temas do Congresso, podemos ver que a Ortopedia também foi contemplada, com extensa grade.”

Residentes e jovens médicos

O COTESP mantém uma atenção especial ao “futuro” ortopedista e ao ortopedista em formação. Portanto, segundo Piedade, contempla atividades de educação continuada relacionadas a residência medica em Ortopedia e Traumatologia, como programa de aulas, provas teóricas e práticas. “Aliadas às atividades do Congresso oferecem ao residente momento único de aprendizado na sua formação acadêmica e atualização profissional. ”

É importante dizer que o horário do encontro dos residentes não é conflitante com o do congresso. “Com isso os residentes poderão participar de todas as atividades do COTESP”, explica o presidente do 27º COTESP.

Em resumo, o congresso é o momento para os médicos e residentes – sejam eles de grandes centros ou cidades do interior – de discutirem e se atualizarem sobre os mais diferentes temas da especialidade. O foco, claro, está na busca constante pela excelência no atendimento aos pacientes.

Se depender da SBOT-SP e do 27º COTESP esse caminho está sendo trilhado. Nos vemos em Ribeirão Preto!

Acesse: www.cotesp.org.br e inscreva-se agora mesmo!

Open chat