Novos ares para Ortopedia

Muito mais que Defesa Profissional, este ano estamos engajados, num projeto mais amplo: 2019 inicia com uma nova visão sobre a profissão médica, ou seja, sobre a valorização do ortopedista. Talvez nos anos anteriores coubesse o termo defesa profissional, pois passamos por momentos em que fomos atacados, culpados pela situação caótica na saúde. O projeto Mais Médicos e a criação de centenas de Faculdades de Medicina nos mergulharam num tsunami de desânimo, cujo futuro seria o caos.

Porém, mudanças políticas em 2018, a nomeação do colega e ortopedista Mandetta como Ministro da Saúde, a Frente Parlamentar com médicos no congresso e no senado, engajados na causa médica, o IBDM – Instituto Brasil de Medicina, têm trazido renovação e esperança. Com certeza estamos respirando novos ares.

Em 2019, a diretoria SBOT levantou a bandeira da valorização do ortopedista mudando o seu posicionamento. Com uma nova logomarca e, marca uma nova arrancada para melhoria da saúde como um todo, valorizando o ortopedista. Uma das primeiras bandeiras é uma campanha para valorizar o ortopedista com chancela SBOT. Através de campanhas institucionais, vamos vincular mais o profissional com a SBOT, mostrando que vale a pena ser SBOT. Ser um ortopedista SBOT tem o seu valor.

Um outro ponto é o SUS. Estagnado, apesar de ser um direito e um dever do Estado, ao médico, sobra apenas o ônus e a fama do mal atendimento. Por meio das Comissões de Políticas Médicas da SBOT, criar a carreira médica no SUS, e nos respectivos Estados, além de batalhar na melhora das formas de remuneração, pois grande parte dos atendimentos no país, são realizadas pelas Santas Casas e hospitais filantrópicos.

Na medicina suplementar, o Grupo de Valorização Profissional, está trabalhando, no sentido de encampar os vários procedimentos em seis grupos de procedimentos, com valores mais condizentes com a realidade. O caminho é fortalecer a única referência reconhecida, a CBHPM da AMB, para que os valores de 2018 sejam a referência mínima a ser paga pelos convênios.

A SBOT-SP, a maior de todas as regionais, com mais de 3 mil membros, é a que apresenta as maiores oscilações em relação ao pagamento de honorários, e em algumas situações os menores honorários dos convênios. Quando comparados com estados com menor número de membros, o que se percebe é que as sociedades menores são mais coesas, o poder de pressão e as reinvindicações são melhores atendidas. E, claro, melhores negociações são conseguidas.

Por isso, a Regional SP já trabalha com a regionalização. Um dos projetos é a criação de grupos regionais de negociação, amparados pelo suporte da SBOT e agora com as novas associações com foco político como a Frente Parlamentar de Medicina, IBDM.

Numa mesa de negociação é necessário oferecer vantagens para o comprador de serviço. Como posso diminuir as custas sem prejudicar o paciente? É possível diminuir o tempo de internação? É possível, por meio de consensos, estabelecer protocolos e com isso diminuir as custas com boas práticas? São perguntas que os empresários querem respostas. Os médicos são a menor parte, 8% dos gastos em saúde. Por outro lado, vale lembrar que sem médicos não há saúde.

Claro que numa situação econômica ainda em recuperação, esperar grandes milagres é um sonho ainda, mas é fato que os associados precisam participar dessa negociação.

Caro colega, não olhe a SBOT como uma entidade classicista. A SBOT é você! Nós todos fazemos parte e chegou a hora das mudanças, de juntarmos forças. O momento é oportuno para melhorar as nossas condições de trabalho. Se perdermos esse momento, talvez percamos uma das maiores chances de transformação, pois as atuais conjunturas estão demonstrando uma série de fatores favoráveis, talvez a oportunidade única diante da realidade caótica que tínhamos a nossa frente há tão pouco tempo.

A SBOT e todas as suas regionais estão prontas para essa virada, mas ela só acontecerá com a sua participação. Mais do que perguntar o que você pode fazer pela SBOT, eu perguntaria: o que você pode fazer para melhorar a sua condição de trabalho e, consequentemente, a saúde do país? Participe! Seja SBOT. Vale Ser!

Edison Fujiki

Open chat