A vida só vale quando deixamos um caminho a seguir

Prof. Dr. José Soares Hungria Neto

Linha sucessória de dois renomados médicos paulistas, o Prof. Dr. José Soares Hungria Neto é referência em Ortopedia, pioneiro em tratamento cirúrgico das fraturas no Brasil e um dos responsáveis por trazer a AO Trauma para a América Latina

Seguindo o caminho do avô e do pai, José Soares Hungria Neto diz que nunca foi influenciado em sua infância e juventude a ser médico, teve liberdade para escolher qualquer profissão, mas acabou escolhendo a Medicina. Nascido em 19 de novembro de 1945, concluiu o curso na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em 1970.

Ainda no quinto ano, ele começou a frequentar, às terças-feiras, o pronto-socorro do Pavilhão Fernandinho Simonsen, na época chefiado pelo Prof. Prado, pessoa séria, trabalhadora, estudiosa ao extremo e que não dava um palpite sem ter certeza do que estava falando. Ao passo que o Prof. Prado o encaminhava, ele ia tomando gosto pela Ortopedia e logo que terminou a faculdade, iniciou sua residência na Santa Casa, onde seu pai já trabalhava. Segundo ele, a escolha pela Ortopedia veio da sua habilidade e gosto pela marcenaria.

Naquela época o tratamento de fraturas era primitivo. Os conhecimentos de biomecânica e opções cirúrgicas eram mínimos. Então, por volta de 1974 ele começou a se interessar pela área de trauma e 1975 fez o primeiro curso da AO Trauma. Em 1977 ele participou do curso como instrutor e curso seguinte já participou como faculty, dando algumas aulas no curso.

Prof. Hungria Neto foi pioneiro ao aplicar as técnicas aprendidas na AO e tal foi a importância, que ele é um dos responsáveis pela formação regional da AO América Latina, já no final da década de 90. Dentro da área de fraturas ele teve um mentor que o ensinou muita coisa, não somente em trauma, mas também em comportamento médico, que foi o Prof. Hans Willenegger, suíço e um dos fundadores da AO e que o ensinou muitas coisas ao longo da vida.
Orientado pelo seu pai, o Prof. José Soares Hungria Filho, em sua tese de doutorado em 1989, seguiu a carreira acadêmica e foi até recentemente Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Chefe de Clínica da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Em 2020, ano em que completa 50 anos de sua formação em Medicina, ele puxou o freio. Embora há alguns anos já tivesse começado a reduzir gradativamente sua agenda e passando a ficar mais tempo em sua casa na cidade de Avaré, interior de São Paulo, com a D. Marisa, sua esposa. É lá que ele, torcedor do único time tri campeão mundial, o São Paulo, retomou um hobby antigo da marcenaria. No entanto, não largou a Medicina: vem uma vez por semana para a Capital e atende, às vezes, em um consultório em Avaré.

Deste meio século de Medicina, o Prof. Hungria Neto reconhece os que o precederam, abriram caminhos e foram exemplos para o seu aprendizado, seus líderes que ele prefere chamar de mentores: além do Prof. Willenegger, seu pai, Prof. Dr. José Soares Hungria Filho, Dr. Carvalho Pinto e o Dr. Prado. Para ele, A nossa passagem nesta vida vale quando conseguimos deixar pelo menos um exemplo para as pessoas que vêm a seguir e isso que tenta fazer. Pelo menos dois, de seus três filhos, seguiram seu caminho e são também médicos e ortopedistas.

Projeto Referências da Ortopedia Paulista

Atencioso e prestativo, sempre transmitindo conhecimentos, o Prof. Dr. José Soares Hungria Neto conversou com os Drs. Sérgio Piedade, Editor da Revista da SBOT-SP e Jorge Durigan, membro da Comissão de Ensino e Treinamento da SBOT-SP, sobre sua trajetória na ortopedia paulista e os mestres que o guiaram em sua carreira.
Confira a entrevista acessando o link a seguir!

Open chat